quarta-feira, 19 de julho de 2017

De novo, Grande Sertão: Veredas

O romance "Grande Sertão: Veredas", de José Guimarães Rosa, que já aqui referi em postas anteriores*, continua a deliciar-me, sempre ao pequeno-almoço. É extraordinário que um livro de 1956 seja, sem qualquer dúvida, o mais esclarecido retrato da atual situação política e social portuguesa.
Nesta página, com palavras certeiras, falava do estado do nosso Estado centralista e opressor, fingindo falar do Sertão e do Estado de Minas Gerais. O termo "geringonciável" desmascara-o.


Extrato de Grande Sertão: Veredas. Publicação fac-similada da primeira edição no Brasil (A Bela e o Monstro Edições, 2014. Livraria José Olympio Editora, 1956).
---------- 
* Falou-se deste livro aqui e aqui.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Esteja à vontade para comentar. E escreva na língua que lhe apetecer, mas escreva bem!