terça-feira, 25 de julho de 2017

O senhor Baldemerda

O senhor Valdemar (Alves) é o presidente da Câmara Municipal de Pedrógão Grande e, nessa qualidade, responsável máximo da Proteção Civil a nível local. Ainda não lhe ouvimos uma palavra a tentar explicar onde falhou, para haver tantos mortos. Uma frase a pedir perdão. Ouvimos, sim, a sua voz cheia da arrogância dos homens sem qualidades, principalmente quando está excitado pela presença de microfones ou membros do governo socialista (ele agora é do PS). Ontem, por exemplo, face às notícias de que há uma lista de vítimas mortais que nos andam a ocultar, preferiu desmentir e atacar os "boateiros". Assim, com esta sensibilidade:
"Eventualmente, poderá aparecer um cadáver aqui ou acolá."
  (in Observador)

domingo, 23 de julho de 2017

Da moderna Inquisição

O apóstolo Lucas, no seu Evangelho, conta-nos a história de duas barrigas de aluguer.
Uma é Isabel, a cujo marido, Zacarias, um certo Gabriel anuncia que vai ser mãe do filho de alguém, e até lhe escolhe o nome: João.
A outra é Maria, a quem o mesmo Gabriel revela que, apesar de estar noiva de um rapaz da Galileia, engravidará e terá um filho do mesmo homem poderoso que emprenhou Isabel: "Descerá sobre ti o Espírito Santo, e a virtude do Altíssimo te cobrirá", diz-lhe o arauto.
Alguns, mais moralistas, tenderão a considerar o Altíssimo como um estupor moral, por, sendo solteiro, utilizar barrigas de aluguer. Outros contestam: não é verdade, porque João Batista e Jesus viveram e foram muito amados pelas suas mães, que nunca os abandonaram. E depois vêm os iconoclastas dizer que tanto João como Jesus tiveram dois pais, num sinal de modernidade indiscutível. Ou três: aquele Gabriel é mais do que suspeito.
Fim da Eucaristia. É tudo tão ridículo...